Se está a ver esta mensagem é porque está a utilizar uma versão antiga do Internet Explorer incompatível com o actual site da Fundação A LORD.

Actualize o Internet Explorer para a sua versão mais recente ou instale um dos navegadores de internet abaixo sugeridos por nós:


Internet Explorer

Mozilla Firefox

Google Chrome

Opera

Dinamização da Cultura, da Educação e da Sociedade

30 junho | Abertura de Exposição Coletiva e XIII OrffLORD

No dia 30 de junho, pelas 21h, foi inaugurada a exposição coletiva de pintura “Artistas da nossa terra”. A Fundação A LORD convidou três pintores da nossa terra para exporem as suas obras.

Abílio Sousa, natural e residente em Lordelo, manifestou o gosto pela pintura desde a infância e tem efetuado várias exposições no país e no estrangeiro.

Joaquim Brito, natural de Lordelo e atualmente a residir em Vilela – Paredes, é operador de máquinas na indústria de mobiliário e iniciou-se na pintura como hobby em 2007.

Odete Correia reside em Rebordosa – Paredes, e com as suas obras, demonstra a sua antiga paixão pela pintura.

Para completar esta inauguração foi dito, por Júlio Couto – ator, escritor e declamador – o poema “O Pintor” da autoria de Odete Correia.

As obras estarão patentes e à venda no foyer do Auditório da Fundação, durante os meses de julho e agosto.

De seguida, realizou-se o XIII OrffLORD, no Auditório da Fundação A LORD.

Este evento tem reunido, ao longo dos anos, coros de vários pontos do país e de além fronteiras.

Perante um Auditório praticamente lotado, o espetáculo começou com a atuação do Orfeão anfitrião, dirigido pelo Maestro Luís Bovião Monteiro, com um repertório muito variado incluindo a canção Amanhã de Manhã das Doce (arranjo musical de Manuel Luís B. Monteiro) e o samba Madalena (arranjo musical de Manuel Luís B. Monteiro).

O Madrigal – Grupo Coral de Soutelo – Rio Tinto, foi o segundo grupo a atuar começando com a Canção do Mar e terminando com a tão conhecida música Playback de Carlos Paião (arranjo musical de Fernando Moreira).

Por fim, e orientado pelo Maestro Javier Alonso Pérez, o Coro Polifónico de Entenza, de Pontevedra, deu-nos a conhecer um repertório composto basicamente por peças de compositores galegos. Agradecendo este intercâmbio, deixou o convite a todos os presentes para visitarem a sua região a Galiza.

 

 

Partilhe!

Sem comentários.

Responder