Se está a ver esta mensagem é porque está a utilizar uma versão antiga do Internet Explorer incompatível com o actual site da Fundação A LORD.

Actualize o Internet Explorer para a sua versão mais recente ou instale um dos navegadores de internet abaixo sugeridos por nós:


Internet Explorer

Mozilla Firefox

Google Chrome

Opera

Dinamização da Cultura, da Educação e da Sociedade

Visita às Caldas da Rainha e ao Buddha Eden

Sábado, 2 de Outubro, foi o dia do Passeio Cultural a Caldas da Rainha e ao Jardim do Buddha Eden.

O autocarro da Fundação A LORD recebeu os cinquenta e dois visitantes, por volta das 7h00, na sua sede, a partir de onde rumou para Caldas da Rainha.

Nessa cidade,  o grupo foi orientado por um funcionário da área do Turismo da Câmara Municipal respectiva, pelas suas ruas, monumentos, estância termal e mercados, assim como deu a conhecer a história que originou a existência desses ícones.

Caldas da Rainha é conhecida pelas suas águas termais de grande qualidade, cerâmica e dinamismo cultural, bem como artístico.

Depois de almoço, seguiram viagem para o Bombarral, onde passearam pelo imenso jardim do Buddha Eden. Este parque de 35 hectares foi idealizado e realizado pelo Comendador José Berardo, como homenagem aos Budas Gigantes de Bamyan que foram destruídos intencionalmente pelo Governo Talibã, em 2001.

Nele, os visitantes depararam-se com um espaço repleto de estátutas de grande dimensão,  alusivas ao Budismo e à cultura oriental, tornando-o um convite à contemplação, não fosse ele também conhecido como o Jardim da Paz.

 

A escultura de maior tamanho, que vislumbraram, media 15 metros e tratou-se do Buddha Dourado Deitado.

Cerca de duas horas depois e como não havia pressa para chegar a casa, passaram pela histórica cidade de Óbidos e lancharam em Alcobaça, sendo este último local conhecido pelo seu Mosteiro Cistircience.

A visita terminou com a chegada a Lordelo, por volta das 21h30.

Partilhe!

Tags: ,

1 resposta para “Visita às Caldas da Rainha e ao Buddha Eden”

  1. fati 10 de Maio de 2011 em 13:52 #

    Estou a pensar num percurso destes pra o EPES onde trabalho, no Centro Porta Amiga de chelas, Fundação AMI

Responder