Se está a ver esta mensagem é porque está a utilizar uma versão antiga do Internet Explorer incompatível com o actual site da Fundação A LORD.

Actualize o Internet Explorer para a sua versão mais recente ou instale um dos navegadores de internet abaixo sugeridos por nós:


Internet Explorer

Mozilla Firefox

Google Chrome

Opera

Dinamização da Cultura, da Educação e da Sociedade

Conferência | A Família Hoje | Reportagem

A Fundação A LORD convidou duas ilustres personalidades, Prof. Doutor Daniel Serrão e Prof. Doutor Henrique Manuel S. Pereira, respetivamente, para proferir e moderar uma conferência subordinada ao tema A Família Hoje, no passado dia 21 de abril.

O Presidente da Fundação, Dr. Francisco Leal, procedeu à abertura da sessão, enaltecendo, no seu discurso, o prestígio intelectual e académico dos convidados e desafiando os participantes a refletir sobre a Família, célula fundamental da sociedade.

Seguiu-se o primeiro momento musical da noite. A jovem pianista Sara Caldeira interpretou, notavelmente, a composição Polonaise Fantaisie, Op. 61, de Frédéric Chopin, recebendo rasgados elogios de Daniel Serrão e os merecidos aplausos da numerosa assistência.

Por sua vez, Henrique Manuel S. Pereira apresentou o orador e o livro Daniel Serrão – Aqui diante de mim, uma longa conversa entre Daniel Serrão e Henrique Manuel S. Pereira, que “explora a circunstância de quem está diante do seu interlocutor, mas também a circunstância de quem está diante de si mesmo, numa atitude de verdade”.

Iniciada a conferência propriamente dita, Daniel Serrão começou por referir a existência de 29 tipos de família, salientando a monogâmica, monoparental, recomposta, podendo as duas últimas ser constituídas na sequência de adversidades como o divórcio, conflitos de interesses, homossexualidade, infidelidade, morte… Defendeu a família monogâmica, proveniente de uma relação profunda de amor, mais capaz para gerar e educar os filhos e obter recursos para lhes proporcionar segurança. É este o modelo que propõe aos jovens, acreditando ser o melhor para a formação de uma sociedade estável, unida e cumpridora dos seus deveres. Referiu-se, ainda, ao casamento católico como um contrato indissolúvel, que regula os interesses das duas partes, fruto de uma estrutura natural que a Igreja Católica elevou à categoria de sacramento.

Por último, ouvimos Nuit d’étoiles, de C.Debussy e as Cinq Mélodies Populaires Grecques, de M. Ravel belamente interpretadas pela soprano Ana Pousa, acompanhada ao piano por Sara Caldeira.

Houve ainda uma sessão de autógrafos pelos autores do livro Daniel Serrão – Aqui diante de mim e um porto de honra.

Partilhe!

Sem comentários.

Responder