Se está a ver esta mensagem é porque está a utilizar uma versão antiga do Internet Explorer incompatível com o actual site da Fundação A LORD.

Actualize o Internet Explorer para a sua versão mais recente ou instale um dos navegadores de internet abaixo sugeridos por nós:


Internet Explorer

Mozilla Firefox

Google Chrome

Opera

Dinamização da Cultura, da Educação e da Sociedade

GRUPO CORAL DA JUSTIÇA l 16 MARÇO

Datas: 16/03/2013 |Hora: 21:30 Localização: Auditorio da Fundação A LORD, Lordelo, Paredes

16_MAR_Cartaz-01[1]

GRUPO CORAL DA JUSTIÇA

O Grupo Coral da Justiça do Porto é uma Associação Cultural que iniciou a sua atividade em 1984, no Palácio da Justiça do Porto, tendo por objetivos, entre outros, a interpretação e difusão da música na sua expressão coral, instrumental e de raiz popular.

Nascido da iniciativa de um número restrito de Juízes, atualmente Juízes Conselheiros do Supremo Tribunal de Justiça já jubilados, é constituído fundamentalmente por Magistrados Judiciais e do Ministério Público, Advogados, Solicitadores, Notários e Oficiais de Justiça.

Aberto desde sempre a todas as iniciativas culturais que os seus associados entendessem promover, acabaria por vingar desde logo e de modo mais consistente o Grupo Coral, que teve a sua primeira intervenção ainda nesse ano na abertura do Ano Judicial no Palácio da Justiça do Porto.

Desde então, e já enriquecido com os Grupos Instrumentais e de Danças e Cantares Populares entretanto criados, têm-se sucedido as intervenções do Grupo Coral da Justiça em várias localidades, do Minho ao Algarve, passando pelos Açores e por alguns países da União Europeia (aqui a convite de Magistrados do Tribunal das Comunidades), assim prosseguindo os ideias da paz social, da harmonia e da solidariedade entre os Homens que a Justiça procura conseguir e a Cultura, quando verdadeira e digna desse nome, não deixa igualmente de proclamar.

GRUPO CORAL

Direção Artística: Joel Amaro Marques

O Senhor Solicitador Joel Marques assumiu a Direção Artística do Grupo Coral em 1987, substituindo aquele que fora o seu primeiro maestro, o Senhor Juiz Conselheiro José Pereira Girão.

Dirigiu pela primeira vez, em público, o Grupo Coral no dia 27 de outubro desse ano, por ocasião da cerimónia de abertura do Ano Judicial, realizada no Palácio da Justiça do Porto.

Desde então, vem assumindo por inteiro os ensaios do Grupo Coral e a sua regência nos vários espetáculos em que o mesmo tem participado. Uma longevidade que se justifica pela sua extraordinária entrega e dedicação ao Grupo Coral da Justiça (G.C.J.), fruto, também, de uma paixão pela música que cedo despertou em si e o tem acompanhado ao longo de toda a sua vida, levando-o a abraçar vários projetos nesta área, desde logo, a regência de outros grupos corais.

Tendo completado no ano transato 25 anos na Direção Artística do Grupo Coral, este é a ducentésima quinta vez que o Grupo atua sob a sua regência.

GRUPO INSTRUMENTAL

Direção Artística: Maestro Mário Rodrigues

Iniciou a sua educação musical aos 6 anos com o seu pai.

Concluídos os estudos secundários, entrou no Conservatório de Braga onde finalizou o curso geral na classe de violino do Professor Silva Pereira.

No Conservatório do Porto veio a concluir o curso superior de violino, merecendo, por concurso, o prémio Gulbenkian de melhor aluno de 1973.

Foi Concertino na Orquestra Sinfónica do Porto até à sua extinção.

Dedicou-se ao estudo de direção de orquestras com o Maestro Professor Silva Pereira, estudo que veio a completar em Siena, Itália, com o Maestro russo Guenadi Rozhdestvenski.

Durante dois anos, exerceu a atividade de coordenador cultural do INATEL, distrito do Porto, onde fundou a Escola de Música.

Exerceu as funções de Maestro da Orquestra Clássica do Porto e de Diretor da Orquestra Konsantina que ele próprio fundou.

GRUPO DE DANÇAS E CANTARES POPULARES

Direção Artística: Dr. Normando Machado

O Dr. Normando Machado ingressou no G. C. J. do Porto em 1986, para assumir e desenvolver a ideia da criação de um Grupo Instrumental (que então dava os primeiros passos por iniciativa de dois associados do G. C. J.), e de um Grupo de Cantares (que na altura valia essencialmente pela amizade e convívio que ligava os seus elementos), com os quais se procurava criar um espetáculo mais rico culturalmente, agradável e não cansativo pela diversidade dos géneros musicais que o integravam.

Com largos e sólidos conhecimentos musicais, sob a sua Direção Artística (que manteve durante vários anos) o Grupo Instrumental ganhou a estrutura que ainda hoje se mantém, enriquecendo o seu repertório com novas melodias e mesmo algumas harmonizações de sua autoria, naturalmente adequadas às características instrumentais do grupo.

Com igual dinamismo, criou o Grupo de Danças e Cantares Populares, cuja Direção Artística mantém, que passou a incluir no seu repertório algumas harmonizações e arranjos da sua autoria e, no final, um momento com sabor a Coimbra, naturalmente reflexo da sua (bem como de outros elementos do Grupo) ligação àquela cidade pela vida académica aí vivida, corporizada num conjunto de baladas por si selecionadas e que foram interpretadas por Zeca Afonso.

PROGRAMA

 1.ª Parte

INNO ALLA NOTTE ————- Beethoven

LORD I WANT ——————— Espiritual

LA VERGINE ———————– Verdi

PESCADOR ————————- Correia de Noronha

AVE MARIA ————————- Tomás Luís de Victoria

AMAZING GRACE —————- Arranjo de Fernando Lapa

TOLLITE HOSTIAS ————— Camille Saint-Saens

O HOLY NIGHT —————— Adolphe Adam

2.ª Parte

GAVOTTE —————————————– Bach

MINUET —————————————— Bach

DANÇA – SONATINA N.º 5 —————– Haendel

CANTAR DE AMIGO ————————- F. Freitas

MOMENTO MUSICAL ———————– Schubert

4 ESTAÇÕES (OUTONO/INVERNO) —— Vivaldi

CANÇÃO DO MAR —————————– F. Freitas e F. Trindade

DR. ZHIVAGO ———————————– Maurice Jarre

3.ª Parte

MÚSICAS POPULARES DO MINHO AO ALGARVE E ILHAS

MOMENTO DO FADO DE COIMBRA – EVOCANDO ZECA AFONSO

 

 

Partilhe!

Sem comentários.

Responder