Se está a ver esta mensagem é porque está a utilizar uma versão antiga do Internet Explorer incompatível com o actual site da Fundação A LORD.

Actualize o Internet Explorer para a sua versão mais recente ou instale um dos navegadores de internet abaixo sugeridos por nós:


Internet Explorer

Mozilla Firefox

Google Chrome

Opera

Dinamização da Cultura, da Educação e da Sociedade

NOME DE GUERRA, A VIAGEM DE JUNQUEIRO

«Nós, os daqui e de hoje, não experimentamos por um só momento qualquer satisfação no mundo temporal, nem a ele estamos ligados; afastamo-nos sempre e completamente, até junto dos nossos antepassados, até à nossa origem e até àqueles que aparentemente vêm depois de nós. Nesse máximo mundo “aberto” estão todos, não se pode dizer “em simultâneo”, embora precisamente a supressão do tempo implique que todos eles sejam. A efeméride confronta-se em todos os lugares com o ser profundo. E assim todas as realizações do aqui não se destinam só a um uso temporal, mas também, tanto quanto a nossa capacidade o permitir, a serem dirigidas para aqueles significados superiores, em que participamos.»

Rainer Marie Rilke

Quando Modernidade e Tradição se associam num abraço desinteressadamente estético, a construção e firmamento da identidade Nacional sai reforçada pela via da Cultura, dos seus atores e das suas obras, pretendidas reflexivas e atuantes. Foi exatamente isso que a Fundação A LORD deliberadamente promoveu no pretérito dia 27 de abril, pelas 21.30 horas, no seu Auditório.

O título em epígrafe dá nome à primeira longa-metragem do Professor Doutor Henrique Manuel Pereira, pessoa com invejável currículo, e produzido pela Escola das Artes da Universidade Católica do Porto. Muito bem conseguido, este documentário tem uma abordagem bastante enérgica, exaustiva recolha de vária espécie de material documental (arquivo fílmico, fotográfico, sonoro, bibliográfico e iconográfico, feito fora e dentro do País). A razão principal deste Documentário, se necessário fosse dizer, prende-se com a necessidade de resgatar (de) in illo tempore uma das personalidades mais controversas e intelectualmente mais dotadas do seu (e nosso) tempo – e que, seguramente, influenciou as gerações que se lhe seguiram, tanto estética como culturalmente; mais do que um documentário de índole biográfica, a clivagem emergente da sua obra, pensamento e legado cultural (literário, de base) de Guerra Junqueiro são contemplados.

O autor, o Professor Doutor Henrique Manuel Pereira, não se poupou a esforços, tendo procedido a 30 horas de entrevistas, por si conduzidas, e a mais de 100 horas de prolixa película.

Dos entrevistados, podemos destacar Eduardo Lourenço, Mário Soares, D. Manuel Clemente, Nuno Júdice, António Cândido Franco, José Carlos Seabra Pereira, Miguel Real, Elias Torres Feijó, tendo contado, como participações especiais, com Eunice Muñoz, Ruy de Carvalho, Manoel de Oliveira e Pedro Abrunhosa.

Como se depreende, mormente haver entre estas personalidades o fio condutor da Cultura, as artes a que se dedicam, para além da evidente escolha política e eclesiástica, são diversas e contrastantes. Nesse sentido, ou daí decorrendo, o Documentário sai enriquecido e potencializa um melhor conhecimento (como efeito caleidoscópio) da multifacetada personalidade de Guerra Junqueiro, desde poeta a político, passando por colecionador de arte, até homem de ciência e agricultor.

De entre os inúmeros miradouros que o Documentário do Professor Doutor Henrique Manuel Pereira colocou à nossa disposição, escolheria o da recitação de poemas por Ruy de Carvalho e Eunice Muñoz, sobretudo nos pontos relativos à sua forte ligação ao Divino e à sua revolta em relação ao Clero. Doravante, e tendo a lembrança das suas poesias nos meus cadernos de escola, será o que futuramente ocupará as minhas leituras e reflexões, para além de, como parece ser evidente, resgatar Guerra Junqueiro do esquecimento; agora, com este filme, como ponto de referência incontornável, colocar-se-á Guerra Junqueiro na memória do Panteão dos grandes vultos da nossa Cultura, esperando que a justiça tenha começado a ser feita para não mais ser contrariada.

Resta-me agradecer à Fundação A LORD que, com a apresentação deste filme, contribuiu, primeiro, para o desenvolvimento sociocultural das gentes de Lordelo e de outras pessoas que apreciam estes eventos e, após isso, a toda a comunidade cinéfila e cultural; ao Professor Doutor Henrique Manuel Pereira, realizador do filme, e à coprodutora, Marta Reis, que me fizeram regressar à minha infância, reitero, quando as poesias de Guerra Junqueiro estavam muito presentes nos livros da Instrução Primária, como acima disse.

Parabéns! Um bom filme que recomendo. Uma viagem que gostei de fazer juntamente com Guerra Junqueiro.

Ana Maria Cabral

IMG_3442

Partilhe!

Sem comentários.

Responder