Se está a ver esta mensagem é porque está a utilizar uma versão antiga do Internet Explorer incompatível com o actual site da Fundação A LORD.

Actualize o Internet Explorer para a sua versão mais recente ou instale um dos navegadores de internet abaixo sugeridos por nós:


Internet Explorer

Mozilla Firefox

Google Chrome

Opera

Dinamização da Cultura, da Educação e da Sociedade

Sarau do Orfeão Universitário do Porto | Reportagem

No passado dia 24 de março, o Orfeão Universitário do Porto apresentou, perante um Auditório completamente esgotado, um espetáculo dividido em duas partes, que contou com a atuação dos seguintes grupos: Coro Clássico, Jograis, Cante Alentejano, Cantares de Maçadeiras, Danças de Pauliteiros de Miranda, Fado de Lisboa e Tuna Universitária do Porto.

Na primeira parte, o Coro Clássico, dirigido pelo Maestro António Sérgio, interpretou algumas canções ligadas ao folclore português – João Brandão, Olhos Azuis São Ciúmes, Milho da Nossa Terra e Coletinho -, aos espirituais negros – Climbing Up The Mountain e Until We Meet Again – e à música pop – Mamma Mia e I Believe in Angels. O público, entusiasmado, acompanhou o Coro trauteando as canções e batendo palmas.

Os Jograis, apresentaram, na primeira e na segunda parte do espetáculo, uma sátira político-social acutilante. Usando apenas textos originais, inspirados no humor característico dos estudantes, provocaram reações de boa disposição entre a assistência.

O Grupo de Cante Alentejano entoou algumas das modas mais populares da região alentejana – Nós Somos Alentejanos, Menina Estás à Janela, entre outras.

As Maçadeiras, vestidas a rigor e munidas de adufes, trouxeram a frescura feminina, cantando quatro temas tradicionais – Inda Agora Aqui Cheguei, Oh És Tão Linda…

Após o intervalo, os Pauliteiros entraram no Auditório de forma inesperada e, percorrendo a plateia, subiram ao palco ao som da gaita de foles, da caixa e do bombo. Aí, surpreenderam o público com uma coreografia alegre e diversificada, da qual fazia parte o sobejamente conhecido Assalto ao Castelo, demonstrando a grande destreza dos dançarinos. O público mostrou o seu apreço, acompanhando toda a exibição com fortes palmas.

O grupo de Fado de Lisboa, com a tradicional guitarra portuguesa, a viola e o violoncelo, começou por apresentar a Valsa Chilena, uma peça instrumental de homenagem a Alcino Frazão, seguida de três vozes femininas que interpretaram temas mais recentes, já divulgados pelas fadistas Ana Moura e Carminho, como Meu Amor Marinheiro.

A Tuna Universitária do Porto exibiu vários temas dedicados à vida académica, encerrando a atuação com a música Os Amores de Estudante que é, desde 1937, o hino do estudante.

No final, o Presidente do Orfeão Universitário do Porto, Rui Miguel Araújo, agradeceu o convite da Fundação A LORD e convidou os presentes a participarem nas atividades comemorativas do Centenário do Orfeão Universitário do Porto, que decorrerão até março de 2013.

Partilhe!

Sem comentários.

Responder